OS SEGREDOS POR DETRÁS DO SISTEMA AERODINÂMICO ATIVO DO AVENTADOR SVJ

Há desportivos e desportivos – este Lamborghini é um modelo muito especial, adaptado ao uso na estrada mas com genes para “brilhar” em pista. Relação peso/potência, estabilidade e aerodinâmica são fundamentais para um superdesportivo brilhar da maneira computador este brilha e é sobre este último ponto que hoje nos debruçamos: a aerodinâmica.

O Aventador SVJ foi projetado para conseguir supremacia aerodinâmica. Para isso contribui o ALA 2.0 (Aerodinamica Lamborghini Attiva), sistema aerodinâmico que a Lamborghini desenvolveu para elevar a performance do Lamborghini Aventador SVJ para um nível de topo, com entradas de ar otimizadas e canais específicos para orientar o fluxo aerodinâmico. O sistema ALA 2.0 produz variações, de forma ativa, da carga aerodinâmica, através de motores acionados eletronicamente e sensores de inércia – cuja atuação conjunta permite alterar a posição de flaps, abrindo ou fechado abas, em menos de 500 milisegundos. Desse modo, consegue maior downforce (força vertical que ‘empurra’ o carro para o solo) ou minimiza a resistência à deslocação, dependendo das condições dinâmicas da condução.

Cada faceta da sua forma segue a função para a qual foi desenvolvida, sendo o principal objetivo do design melhorar significativamente a força descendente – mais 40% em ambos os eixos em relação ao anterior Aventador SV – melhorando o coeficiente de resistência em -1%.O sistema ALA, patente da marca Lamborghini, já tinha sido apresentado no Huracán Performante, inclui agora novas entradas e canais de ar, de forma e função otimizadas, e uma recalibração que analisa as acelerações laterais do veículo.

O SVJ é um carro mais largo, na frente, e inclui no novo pára-choques dianteiro, além das aletas laterais integradas, a tecnologia aerodinâmica patenteada pela Lamborghini: ALA. Continuar a explorar as inovações introduzidas leva-nos ao mundo dos caça a jato – já que, entre outras estratégias, há divisor de fluxo aerodinâmico, geradores de vórtice e até winglets laterais para reduzir a turbulência, especialmente eficazes a alta velocidade. As maiores entradas de ar colaboram, também, no arrefecimento mais eficaz de certos componentes.

Mesmo o sistema de escape sofreu alterações, sendo montado mais próximo do motor, e mais alto em relação à posição habitual, economizando peso e assemelhando-se à solução encontrada para motos de competição. Salientamos ainda que o canal de ar interno da asa traseira é dividido à direita e à esquerda, permitindo a vetorização do fluxo de ar, em curvas a alta velocidade, aumentando a força descendente na roda interna e, deste modo, a tração, contribuindo para neutralizar a transferência de massas em condições de condução rápida. Também a capacidade de travagem beneficia com o funcionamento da dinâmica ativa.

Muito haveria para escrever sobre as novidades em termos do ALA 2.0, mas tudo é mais fácil de compreender vendo o vídeo seguinte. Se, para si, um superdesportivo é um carro igual ou outros, com um motor mais potente e materiais nobres, com uma carroçaria mais vistosa e um preço exagerado, talvez mude de opinião depois da apresentação seguinte.




#TablierMagazine
Fonte: Lamborghini

Related posts